Influenciadores digitais: eu preciso disso?

Influenciadores digitais são moda, ou trazem retorno? Como decidir quando usar ou não? Se usar, qual usar? Eu preciso usar influenciadores digitais para a minha marca? Se você tem essas dúvidas, leia este artigo!

Na minha época (ok, entreguei minha idade), meus influenciadores eram (não necessariamente nessa ordem):

1 – Rock Stars
2 – Movie Stars
3 – Super Hero Stars

Mas parece que o mundo mudou. Hoje tem uma galera que pega uma câmera, fala de uma forma extrovertida e… BOOM! 1 milhão de pessoas seguindo!

Ao notar isso, você pode estar se perguntando: GENTE, QUE *&¨%¨ É ESSA?

Vou tentar explicar de uma forma simples: a internet, a globalização, as redes e mídias sociais, os gadgets, as câmeras digitais baratas, os smartphones, os links de internet, e, principalmente, a acessibilidade a isso tudo, criaram uma janela para QUALQUER PESSOA QUE QUEIRA criar conteúdo, publicar, divulgar e aparecer para o mundo.

Aí, se a coisa é “boa” (ou seja, se cria identificação), as pessoas seguem essa galera, para consumir mais daquele conteúdo. Com o tempo, essas pessoas (que criam conteúdo para os seus seguidores) se tornam REFERÊNCIA e, posteriormente, tornam-se AUTORIDADE nos assuntos. Com isso, geram INFLUÊNCIA.

BEM-VINDO(A) À GERAÇÃO DOS INFLUENCIADORES!

Agora, sua próxima pergunta deve ser: e minha marca? Pode se beneficiar com isso? Como?

Resposta: CLARO! ÓBVIO! DEVE!

Como? Aí já não é tão simples…

Deixa eu te perguntar uma coisa: você sabe quem é a persona da entrega da sua marca? (O cliente que você quer atingir, quem ele é, aonde está, o que gosta, o que não gosta etc)

Sabe? Ok. E você quer vender algo para ele, né?
Ok.

Agora vamos pensar que CERTAMENTE, existem influenciadores que esse cliente segue, pelos quais ele é “influenciado”.

Muito bem, agora pense: se você promover seu produto de uma forma inteligente e atrelada ao conteúdo por meio desse influenciador, possivelmente o seu cliente, que segue essa pessoa, terá maior probabilidade de conhecer e consumir a sua marca, pois ele é influenciado, ou seja, leva em consideração a opinião do influenciador sobre seus nichos de interesse!

Então, em resumo: conheça o que o seu cliente quer e gosta. Descubra quem ele segue (influenciadores). Fale com esse influenciador, proponha uma forma de inserir sua comunicação ou produto no conteúdo / campanha / ativação dele, crie métricas de conversão, acompanhe, apoie e analise os resultados.

Pegou o conceito?
No próximo artigo tem mais!
Abs, Guedes

Compartilhe: Facebook, Twitter

Comente sobre isso: